Trem de ferro – Análise de poema – Manuel Bandeira

 

20080408manuelbandeirajpg1Café com pão
Café com pão
Café com pão
Virgem Maria que foi isto maquinista?

Agora sim
Café com pão
Agora sim
Café com pão

Voa, fumaça
Corre, cerca
Ai seu foguista
Bota fogo
Na fornalha
Que eu preciso
Muita força
Muita força
Muita força

Oô..
Foge, bicho
Foge, povo
Passa ponte
Passa poste
Passa pasto
Passa boi
Passa boiada
Passa galho
De ingazeira
Debruçada
Que vontade
De cantar!

Oô…
Quando me prendero
No canaviá
Cada pé de cana
Era um oficia
Ôo…
Menina bonita
Do vestido verde
Me dá tua boca
Pra matá minha sede

Ôo…
Vou mimbora voou mimbora
Não gosto daqui
Nasci no sertão
Sou de Ouricuri
Ôo…

Vou depressa
Vou correndo
Vou na toda
Que só levo
Pouca gente
Pouca gente
Pouca gente…

O tema de Manoel Bandeira Trem de Ferro, é uma imitação sonora de um trem em movimento. Sua riqueza está entrada no ritmo e na sua musicalidade baseada na métrica, na aliteração e na assonância. Além de incluir três canções em seu interior (Ôo, Ôo, Ôo).

O ritmo do trem é marcada pelo número de sílabas poéticas do verso, quando está indo é veloz e há trissílabos, quando perde velocidade possui quatro ou cinco sílabas poéticas (café/pão).

A influência do modernismo já estava presente nesse poema; o rompimento com “amarras” poéticas, ousadia de versos livres e menos rimados, o uso da ironia e o senso crítico.

Busca a cultura popular, sobretudo a nordestina, fazendo citações de cantigas antigas e elementos do folclore brasileiro como embolada, cordel, repente e cantiga de roda estão no centro deste poema. E como se fosse brincadeira de roda autor nos convida a retornar ao mundo lúdico. Como mostra uma cantiga cujo o nome é Trem de Ferro.

“O trem de ferro quando sai de Pernambuco vai fazendo vuco-vuco até chegar no ceará
Rebola pai, rebola mãe, rebola filha eu também sou da família também quero rebolá
Um poquim de coca cola, um poquim de guaraná pra refrescá
Minha mãe me pôs na escola pra aprende o bê-a-ba
A danada professora me ensinou a namora
Sete e sete são quatorze com mais sete vinte e um
Tenho sete namorados mas não gosto de nenhum
Cada vez que beijo um
Do um tapa no bumbum”

A linguagem coloquial e interiorana no poema é muito marcante como nos exemplos a seguir : “prendero”/ prenderam,  “canaviá” / canavial, “oficiá”/ oficial, “matá”/matar, “mimbora”/ embora. As imagens fugidas que passam pela janela do trem e que são percebidas por um eu-lírico infantil e ingênuo aumenta mais a riqueza do poema.

O livro Estrela da manhã é considerado por muitos autores um livro simples, lírico, emotivo, humilde, de versos surrealista, a melancólico e com a desilusão de viver.Algumas dessas características também podem ser atribuídas a esse poema.

A ligação que o poema tem com a realidade do país naquela época (1936) é de suma importância considerá-la  para se fazer uma interpretação mais profunda do texto.

O autor pode ter sido influenciado a colocar o título de Trem de Ferro, pois,
na década de 30 o mesmo teve seu auge e também  era o meio de transporte e de comunicação mais utilizado . A diversão dos lugarejos era ver o trem passar. Durante a Revolução de 1932 uma multidão se aglomerava na estação para ver os prisioneiros. Quando o trem parava as pessoas se aproximavam levando mantimento ou perguntando de algum amigo ou parente. O trem foi importante para re-inserção no
desenvolvimento econômico e social do país.

Desde 1532 quando foram plantadas as primeiras mudas de cana de açúcar no Brasil em Pernambuco, já encontrava condições favoráveis para o plantio: clima, rios perenes, solo de massapé.

A produção de cana de açúcar foi muito forte no período de 1930-1950, pois com a crise de 29 a safra do café caiu, e com isso houve um interesse pela cana de açúcar e o algodão, e havia mão de obra em abundância  e barata. Através destes requisitos houve uma modernização, pois os estados financiaram pesquisas.

No final do séc. XVI, esse estado já possuía mais de sessenta engenhos e em pouco tempo o açúcar brasileiro dominava o mercado europeu.

O bom  desempenho canavieiro pode ser observado ainda em 1936 época do poema,  e resulta num grande êxodo para várias cidades.

A mão de obra era quase escrava, o trabalhador era submetido a uma extensa e cansativa  jornada de trabalho, o pagamento muitas vezes, dava somente para pagar suas reifeções. O trabalhador encontrava-se preso, sem esperança de retorno para sua cidade natal. “Quando me prendero no canaviá”. Ironicamente anos antes  o Brasil passou por uma série de aprovação de leis trabalhista como regulamentação do trabalho feminino e infantil, descanso semanal remunerado, férias remuneradas e jornada de trabalho de oito horas diárias.

O “canaviá” no poema pode ser comparado a uma cadeia onde cada pé de cana é um “oficiá”, reafirmando a idéia de prisão

A linguagem simples, opaca  chama atenção sobre si. A escolha das palavras, dos sons e das repetições possibilita ao leitor uma interpretação mais vívida do conteúdo.

O autor marca com três versos repetidos os “tempos” do poema  seu início com os versos : “ Café com pão/ Café com Pão/ Café com pão…” o meio da viagem se dá com a seguinte repetição “ … Muita força/ Muita Força/Muita Força…” e o fim da viagem com “ …Pouca gente/Pouca gente/Pouca Gente…”
Quanto a pontuação, Manuel Bandeira não usa de nenhum ponto final, é como se a viagem não parasse, o trem está sempre andando por isso a predominância de reticências que ao total são seis

Na primeira estrofe não há nada no verso “ café com pão” que imediatamente direcione o pensamento a um trem, não há mesmo qualquer referência direta. No entanto, a repetição desse verso produz uma seqüência de sons oclusivos explosivos, que em alternância com sons fricativos se assemelha ao barulho proveniente do deslocamento de uma locomotiva sobre trilhos.

De mesma forma, há em outros versos uma série de sons consonantais (aliterações) capazes de imprimir à leitura uma cadência que sugere a idéia de deslocamento em diferentes velocidades. A repetição de “ muita força”, por exemplo, se dá em um ritmo de leitura mais lento, como se representasse o deslocamento por um trajeto elevado, daí a necessidade de mais fogo na fornalha. Já  as ocorrências de “passa ponte/ passa poste/ passa pasto”, entre outros transmite a idéia de um deslocamento mais veloz foi retomado e o trem passa ligeiramente pela paisagem.

Ainda explorando o âmbito da sonoridade, figura com certa freqüência no poema.a repetição de sons vocálicos que parecem reproduzir, quase como onomatopéias, um apito de vapor os versos “ Ôo..” nos quais o próprio arredondamento dos lábios necessário à emissão do som, lembra um movimento de sono.

Além dos aspectos fonéticos, existe toda uma seleção vocabular, sobretudo na 3ª e 4ª estrofes, que além de conferir um aspecto de cantiga e folclore, é capaz de transportar o pensamento a uma paisagem interiorana, rural — na qual um trem costuma ser de grande valia.

Já na quinta estrofe quando deparamos com o verso “…que vontade de cantar…” traduz a vida simples do eu-lírico e a satisfação do regresso.

Podemos observar a presença da personificação nos seguintes versos : “ … Menina bonita do vestido verde/ me dá tua boca /pra matá minha sede…” refere-se a própria cana que era usada litralmente para matar a sede,“de ingazeira / debruçada” ingazeira é uma fruta e o autor coloca como se fosse uma mulher. Em “passa boi / passa boiada” observamos a gradação. Existe também  a metáfora outra figura de linguagem: “ cada pé de cana/ era um oficia”. A onomatopéia também está presente quando o autor coloca o “ Ôo…” ele esta indicando a imitação do som do trem.

Na última estrofe assim como trem de ferro, o eu – lírico também tem pressa de chegar “…Vou depressa/Vou correndo/Vou na toda…” dando a idéia de velocidade e continuidade cor -  ren  – do.

Porém, os últimos versos “pouca gente/ pouca gente”nos remete a um sentimento de desilusão e decepção, a entonação enfraquece como se o trem fosse parar mas as reticências nos levam acreditar que ainda existe continuidade.
“Que só levar pouca gente” deduz-se que seja  de um trem de carga. O trem  foi cantado em prosa e verso.

Pesquisando sobre este poema descobrimos que Tom Jobim o musicou em 1986 para o disco “ Antônio Brasileiro”. E encontramos mais uma música onde o trem foi motivo principal e sempre com a idéia de ir e voltar um movimento constante nunca finalizado como a própria vida e  o poema de Manuel Bandeira.

ENCONTROS E DESPEDIDAS
(Milton Nascimento e Fernando Brant)
Mande notícias do mundo de lá
diz quem fica
Me dê um abraço, venha me apertar
tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
quando quero

Todos os dias é um vai e vem
a vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim chegar e partir
são só dois lados
da mesma viagem
O trem que chega
é o mesmo trem da partida
A hora do encontro
é também despedida
A plataforma dessa estação
é a vida desse meu lugar
é a vida desse meu lugar
é a vida…

17 thoughts on “Trem de ferro – Análise de poema – Manuel Bandeira

  • May 5, 2010 at 4:05 pm
    Permalink

    Duas considerações:

    1 – O nome correto é Caatinga e não “catinga”.
    2 – A música é “O Trem Maluco” e não o “Trem de Ferro” e ele faz “vuco-vuco” ao invés de “tchuco-tchuco”. Canto essa música desde de pirralho aqui em Recife!

    No mais, tudo ok!

    abraços!

  • May 5, 2010 at 4:33 pm
    Permalink

    Obrigado, Álvaro, pelas correções. Já fizemos as modificações no texto que foram apontadas por você.

    Obrigado pela visita!

    Abraços!

  • May 12, 2010 at 12:23 pm
    Permalink

    olha o trem de ferro é legal

  • July 14, 2010 at 1:27 pm
    Permalink

    Reza a lenda que Raul Seixas inspirou-se neste poema para compor “O Trem Das 7″, que trata da temática da morte, vinda e sendo observada como um trem calmamente em movimento.

  • July 26, 2011 at 8:44 pm
    Permalink

    bom gostei muito do poema trabalhei com ele muito na escola esse e um poema muito enteresante gostei muito e queria mandar um beijo para todos os profesores e alunos da escola estadual prof esmeralda becker freire de carvalho

  • August 29, 2011 at 7:08 pm
    Permalink

    eu adorei tren do ferro

  • September 22, 2011 at 9:35 pm
    Permalink

    oi gotei muito do texto

  • September 23, 2011 at 5:14 pm
    Permalink

    Obrigado! :)

  • November 21, 2011 at 4:11 am
    Permalink

    I’m extremely inspired along with your writing abilities and also with the format to your weblog. Is that this a paid subject or did you customize it your self? Anyway keep up the nice quality writing, it’s rare to peer a great weblog like this one today..

  • March 31, 2012 at 2:38 am
    Permalink

    Muito pertinente a análise, apenas gostaria de referênciar a música “Maria Fumaça”, da dupla Gaúcha “Kleiton e Kledir”, bem como o contexto sociointeracional da canção e musicalidade contrastiva com a estética do poema.Considerar ainda o contraste na intertextualidade e nos traços de historicidade, e da estética (do ponto de vista sonoro), no que tange a paixão e a nostalgia, pelas linha ferreas do interior do RS, as quais passaram pelo mesmo apogeu e decadência das linhas vislumbradas do NE de |Manoel Bandeira.

  • May 20, 2012 at 5:25 pm
    Permalink

    nosa me ajudou mt obrigado de <3 :D

  • May 20, 2013 at 10:53 pm
    Permalink

    maneiroooooo mt legalllll <3 :D

  • June 6, 2013 at 7:20 pm
    Permalink

    gosto muito desses poemas de manuel bandeira maneirissimo!!!!!!!!!!!

  • June 17, 2013 at 10:10 pm
    Permalink

    gostei da explicação
    ajudou bastante!

  • July 21, 2013 at 11:31 am
    Permalink

    Análise assaz interessante. Gostaria de lhes agradecer por esta rica contribuição em meus conhecimentos.

Deixe um comentário!