Análise dum soneto de Álvares de Azevedo

De Álvares de Azevedo – Breve análise feita por Laís Azevedo

Já da morte o palor me cobre o rosto,
Nos lábios meus o alento desfalece,
Surda agonia o coração fenece,
E devora meu ser mortal desgosto!

Do leito embalde no macio enconsto
Tento o sono reter!… já esmorece
O corpo exausto que o repouso esquece…
Eis o estado em que a mágoa me tem posto!

O adeus, o teu adeus, minha saudade,
Fazem que insano do viver me prive
E tenha os olhos meus na escuridade.

Dá-me a esperança com que o ser mantive!

Volve ao amante os olhos por piedade,
Olhos por quem viveu quem já na vive!

Comentários:

Álvares de Azevedo, romântico brasileiro influenciado por Byron, Musset e outros que sofriam do chamado “mal do século”, talvez, pode ser considerado um dos poetas mais notáveis da história da literatura brasileira. O mancebo, que faleceu jovem, deixou obras de grande valor. É por isso que trazemos aqui este Soneto que integra a obra Lira dos Vinte Anos.

Antes de mais nada, eu gostaria de discorrer um pouco sobre os aspectos formais do poema. Assim, o primeiro ponto que tocarei é a forma do soneto. Não custa nada repetir que esse é formado por dois quartetos e dois tercetos, ou duas quadras e dois tercetos, enfim, dá no mesmo. Pois bem, esse tipo de soneto foi criado por Petrarca, poeta classicista do século XVI. Essa disposição de versos ficou tão famosa, que foi adotada até mesmo pelos românticos. Digo “até mesmo”, pois como se sabe, o movimento Romântico buscou romper com a tradição clássica de poética. No entanto, como se pode ver essa quebra com as regras greco-romanas não foi total; o uso da forma fixa, o soneto, é um bom exemplo disso.

Todos os versos são compostos por 10 sílabas poéticas, ou seja, são decassílabos. O uso desse tipo de metro foi comum na poesia romântica brasileira; padrão que posteriormente foi quebrado pelos poetas parnasianistas, esses criaram, mormente, sonetos utilizando versos alexandrinos, isto é, os versos de doze sílabas. O uso de 10 sílabas é interessante, pois não é um aspecto que está apenas enfeitando o poema. Um leitor astuto notará que os decassílabos encaixam-se bem na proposta do tema abordado pelo sujeito-lírico.

Falando em sujeito-lírico, faz-se importante ressaltar que ele nos fala em primeira pessoa. A utilização do “eu” é importante para um poema, cujo tema é o sofrimento pela perda do amor duma mulher. A primeira pessoa permite, ao meu ver, uma confissão maior e mais apurada do estado da alma do eu-lírico. Nesse caso, como já disse, ela se adequa bem ao soneto.

Você deve estar se perguntando sobre o uso do decassílabo e sua ligação com tema. Versos com um número de sílabas maiores permitem um andamento mais lento. Ora, veja bem, a ideia central do poema é  a de expressar, pois, o estado deplorável físico, bem como psicológico em que o eu-lírico encontra-se. No terceiro verso da segunda estrofe, o sujeito-lírico diz: “O corpo exausto que o repouse esquece…”. Os versos de 10 sílabas, devido ao seu andamento mais vagaroso, expressam bem a fadiga que acomete o mancebo apaixonado.

Outro ponto que não deve ser ignorado é o de como o poeta trabalha esse amor perdido. Freud, em seu texto “Luto e Melancolia”, expõe que a perda de um amor iguala-se, dum certo modo, à morte física duma pessoa. O estado de luto, onde a tristeza prevalece, difere-se do estado melancólico, uma vez que esse último é encarado pelo psicanalista como uma patologia. Pelo discurso do eu-lírico no decorrer dos versos, percebe-se que o abandono de sua amada, leva-o para um estado que beira a morte, visto que sua pele torna-se pálida (primeiro verso da quadra inicial), descorada tal como a dum cadáver.

O estado de espírito do eu-lírico está mais do que explicito; basta você ler, por exemplo, os versos finais dos dois quartetos. Entretanto, ele tenta abandonar a tamanha tristeza que transborda em sua alma; como? Dê uma olhada no último terceto. Num tom imperativo vemos que o poeta pede esperança, para isso ele lança mão do modo imperativo do verbo “dar”. A ordem continua também no segundo verso da estrofe final, dado que há a presença do verbo “volver” no modo imperativo. Saliento também o uso das exclamações, essas reforçam o tom de comando e o desespero pela volta da amada.

Não poderia de deixar de falar, antes de findar meu comentário, sobre o uso da metáfora que está presente no verso “Surdo agonia o coração fenece” e “E tenha os olhos meus na escuridade”. O tropo, que foi bem empregado por Azevedo, tem como função basilar neste soneto, reforçar a ideia de morte e de desespero do sujeito-lírico.

Por fim, digo que este soneto traz à tona a ideia do amor frustrado, um amor que quando não se realiza sempre deixa o poeta a sofrer, a querer a morte, ou a deixar a sua alma ser apoderada por um estado semelhante ao perecer.

Belo poema, belo poema.

10 thoughts on “Análise dum soneto de Álvares de Azevedo

  1. Nossa como vc me ajudou deu uma boa engremendada no meu trabalho estava desemperada, ppois não conseguia achar a analise profunda deste soneto em nenhum site (srsrs) agora sei onde procurar qualquer coisa de literatura . Bem legal a forma q vc explicou foi 10 .
    Valew muito obrigada mesmo, Jaqueline!

  2. Uma ótima análise. A introdução ficou ótima, até para entendimento da época e dos sentimentos do autor. Álvares de Azevedo realmente era brilhante. Parabéns ao site.

  3. muito legal esplicou muito o que eu naum entendia vlw adorei este saite vou recomendar a meus amigos !!:-) = )

  4. Agradecemos pela visita e pelo comentário.

    A ideia do site é, justamente, a de ajudar e, é claro, de divulgar a literatura nos quatro cantos do mundo.

    Abraços!

  5. LAÍS, preciso saber o titulo deste soneto, para que eu possa concluir meu trabalho, mande a resposta por favor, adorei sua análise.

  6. Valci, este soneto não tem título. :)

    Obrigada pela visita e pelo comentário.

  7. Tirando as impresões de primeira pessoa do discurso e de alguns vícios de linguagem, sua explicação vale sete pontos. Logo, se fosses minha aluna do ensino médio, estaria apta em literatura!!! Legal!!!

Deixe um comentário!